MORREU CRISTO EM UMA CRUZ?

Símbolo Cristão?
Você talvez presuma que os cristãos estavam entre os primeiros a usar a cruz. A The Encyclopedia Americana, contudo, fala do “seu antigo uso por parte tanto dos hindus como dos budistas na Índia e na China, e pelos persas, assírios e babilônios”. Similarmente, a Chambers’s Encyclopædia (edição de 1969), diz que a cruz “era um emblema ao qual se atribuiu significados religiosos e místicos muito antes da era Cristã”.
Sem dúvida, não há evidência de que os cristãos primitivos usavam a cruz na sua adoração. Durante os primitivos dias do cristianismo, eram os romanos pagãos que usavam a cruz! Diz a obra The Companion Bible: “Usavam-se essas cruzes como símbolos do deus-sol babilônico. . . e são vistas pela primeira vez numa moeda de Júlio César, 100-44 A.C., e daí numa moeda cunhada pelo herdeiro de César (Augusto), em 20 A.C.” O romano deus-natureza Baco era às vezes representado usando uma faixa em volta da cabeça contendo várias cruzes.

‘Não ensina a Bíblia que Cristo realmente morreu numa cruz?’

Alguém talvez pergunte. Para responder a isto, temos de examinar o significado das duas palavras gregas que os escritores bíblicos usaram para descrever o instrumento da morte de Cristo: stau·rós e xý·lon.
A The International Standard Bible Encyclopedia (1979) diz sob o tópico “Cruz”: “Originalmente o gr[ego] staurós significava uma estaca de madeira pontuda, vertical, firmemente fixa no chão. . . . Elas eram colocadas lado a lado em fileiras para formar cercas ou paliçadas em volta de povoados, ou, avulsas, eram usadas como instrumentos de tortura nos quais transgressores sérios da lei eram publicamente suspensos para morrer (ou, se já mortos, terem seus cadáveres plenamente desonrados).”
Sim, os romanos realmente usavam um instrumento de execução chamado em latim de crux. E, ao traduzir a Bíblia para o latim, esta palavra crux era usada como tradução de stau·rós. Visto que a palavra latina crux e a palavra portuguesa cruz são similares, muitos erroneamente presumem que a crux era necessariamente uma estaca com uma viga cruzada. Contudo, The Imperial Bible-Dictionary diz: “Até mesmo entre os romanos a crux (da qual se deriva nossa cruz) parece ter sido originalmente um poste reto, e isto sempre permaneceu a parte mais proeminente.”
O livro The Non-Christian Cross (A Não-Cristã Cruz) acrescenta: “Não existe uma única sentença em qualquer dos inúmeros escritos que formam o Novo Testamento que, no grego original, forneça sequer evidência indireta no sentido de que o stauros usado no caso de Jesus fosse diferente do stauros [poste ou estaca] comum; muito menos no sentido que consistisse, não em um só pedaço de madeira, mas em dois pedaços pregados juntos em forma de uma cruz.” Cristo poderia muito bem ter sido pregado num tipo de crux (stau·rós) conhecido como a crux simplex. Assim é que tal estaca foi ilustrada pelo erudito católico romano Justus Lipsius do século 16.
Que dizer da outra palavra grega, xý·lon? Ela foi usada na tradução Septuaginta, grega, da Bíblia, em Esdras 6:11. Na Tradução do Novo Mundo, o texto reza: “E por mim foi dada uma ordem que, quando alguém violar este decreto, se arranque da sua casa um madeiro e ele seja pregado nele, e sua casa se tornará por esta causa uma latrina pública.” Obviamente, tratava-se de uma viga única, ou “madeiro”.
Numerosos tradutores das Escrituras Gregas Cristãs (Novo Testamento), portanto, traduzem do seguinte modo as palavras de Pedro em Atos 5:30: “O Deus de nossos antepassados levantou Jesus, a quem matastes por pendurá-lo num madeiro [ou “árvore”, segundo a King James Version, a New International Version, A Bíblia de Jerusalém (na edição em inglês) e a Revised Standard Version].” Talvez queira também verificar como a sua Bíblia traduz xý·lon em: Atos 10:39; 13:29; Gálatas 3:13; e 1 Pedro 2:24.
Andando Pela Fé, Não Pela Vista
Mesmo depois de considerar tal evidência de que Cristo realmente morreu numa estaca, alguns talvez ainda não vejam nada de errado em usar uma cruz. ‘É um simples ornamento’, talvez digam.
Tenha em mente, contudo, como a cruz tem sido usada ao longo da história — como um objeto de adoração pagã e reverência supersticiosa. Poderia o uso duma cruz, mesmo como simples enfeite, harmonizar-se com a admoestação do apóstolo Paulo em 1 Coríntios 10:14: “Portanto, meus amados, fugi da idolatria”?
Que dizer dos verdadeiros cristãos hoje? Eles, também, devem estar cônscios da necessidade de ‘guardar-se dos ídolos’, como aconselha a Bíblia. (1 João 5:21) Assim, eles não consideram a cruz um ornamento apropriado. Eles lembram-se da declaração de Paulo: “Maldito é todo aquele pendurado num madeiro”, e, por conseguinte, preferem pensar em Cristo como glorioso Rei entronizado! — Gálatas 3:13; Revelação (Apocalipse) 6:2.
Embora tais cristãos não usem cruzes, eles apreciam profundamente o fato de que Cristo morreu por eles. Sabem que o sacrifício de Cristo é uma maravilhosa demonstração do “poder de Deus” e de amor eterno. (1 Coríntios 1:18; João 3:16) Mas, eles não necessitam de algum objeto material, como uma cruz, para ajudá-los a adorar a este Deus de amor. Pois, como Paulo exortou, ‘andam pela fé, não pela vista’. — 2 Coríntios 5:7.

Anúncios

Um comentário sobre “MORREU CRISTO EM UMA CRUZ?

  1. wallery

    Qual a importância em se saber se Cristo morreu em uma cruz, madeiro ou em algo parecido?
    A grande questão é: por ter Cristo supostamente morrido nela, a tornou um simbolo sagrado?
    A verdade em se saber em que objeto, ele morreu supostamente não é condição nem suficiente , tampouco necessária para os que acreditam na crença cristã. O ponto relevante é a morte de um homem acreditado por muitos como santo ter morrido em troca dos pecados de outros.
    Preocupar-se em assunto de tão pequena importância, é desperdiçar tempo e energia.
    O nome de Deus é Jeová, ou é Javé, ou Iavé ou tantos outros. Qual a importância material nisso? Não há ninguém no mundo que possa afirmar, com plena certeza, qual é o verdadeiro nome de Deus.
    Deus vai deixar de olhar por este ou por aquele por não saber de fato seu nome?
    Não há como traduzir um termo, palavra ou muito menos uma frase ou sentença de uma língua para outra e esta tradução ser 100% correta. Há termos que sequer vão existir na passagem de uma língua para outra. Isso é impossível.
    Na maioria das vezes há transliterações ou adaptações muto próximas, mas mesmo assim, não muito exatas do seu sentido original.
    Se preocupar se esse nome é, ou não é correto, é um desgaste desnecessário.
    Os próprios judeus que deveriam dar tanta importância ao nome de Deus sequer o mencionavam desde há muitos anos em suas tradições.
    Os próprios cristãos também não deram relevante importância a isso.É só observa que os lugares que supostamente deveriam ser colocados o suposto nome de Deus, Javé, Jeová, Iavé, Javu e Iachu… não passam de 400 vezes. E mesmo nessas, os cristãos na realidade tomaram emprestadas no velho testamento para aplicarem a Cristo.
    É só observar o contexto em que foram usadas que se chega facilmente a essa incontestável constatação.
    Poderiam alguns dizer, mais no velho testamento o tetragrama aparecem quase 7000 mil vezes, e daí. Os cristãos que seguiram a Cristo não deram essa primazia no novo testamento, então por que os de hoje dariam?
    E como já falei não há certeza qual é o nome. E essa dúvida ou incerteza está entre os mais renomados especialistas.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s