Como Identificar Um Ensinamento Falso?

Diante de tantas religiões no mundo, fica difícil encontrar a verdadeira religião, aquela que Jesus Cristo iniciou no Primeiro Século com os Apóstolos.

Jesus mesmo advertiu sobre os falsos profetas no tempo do fim. Ele disse em Mateus 24:11:”E surgirão muitos falsos profetas, e desencaminharão a muitos; ” e falou também em Marcos 13:21-23:“Então, também, se alguém vos disser: ‘Eis aqui está o Cristo!’, ‘eis ali está ele!’, não [o] acrediteis.  Porque surgirão falsos cristos e falsos profetas, e farão sinais e prodígios, a fim de desencaminhar, se possível, os escolhidos. Vós, portanto, vigiai; eu vos disse todas as coisas de antemão.”

Mas como identificar se o que uma religião ensina é verdade ou Mentira?

Se você caro leitor seguir uma pequena regra básica, ficará surpreso de como é fácil saber se o que ensinam por ai é verdade ou não. Ela é bem simples.

Essa regra se baseia em três fatores:

  1. Se o ensinamento se baseia na Bíblia, e não em filosofias Humanas.

  2. Se o versículo que se prova um argumento está dentro do Contexto do capítulo e do livro da bíblia que se menciona.

  3. Se TODA A BÍBLIA apoia o ensinamento, isto é, se está em Harmonia com o restante de bíblia, pois a mesma nunca se contradiz.

Vamos sitar alguns exemplos para você aprender a usar esse recurso e saber o que a bíblia realmente ensina, e parar de ser enganado(a) pelos falsos profetas, conforme nosso salvador Jesus falou.

PRIMEIRO EXEMPLO

O Inferno

  1. O ensinamento se baseia na bíblia?

Resposta: Não. “Muita confusão e compreensão errônea foram causadas pelo fato de os primitivos tradutores da Bíblia terem traduzido persistentemente o termo hebraico Seol e os termos gregos Hades e Geena pela palavra inferno. A simples transliteração destas palavras por parte dos tradutores das edições revisadas da Bíblia não bastou para eliminar apreciavelmente esta confusão e equívoco.” — The Encyclopedia Americana (1942), Vol. XIV, p. 81.
Os tradutores permitiram que suas crenças pessoais afetassem seu trabalho, em vez de serem coerentes em verter as palavras da língua original.

Por exemplo: (1) A versão de Matos Soares, 36.a ed., traduziu she’óhl por “inferno”, “terra”, “morte”, “habitação dos mortos”, “sepulcro”, “sepultura” e transliterou uma vez por “cheol”; haí·des é também traduzido ali tanto por “inferno” como por “habitação dos mortos”; gé·en·na também é traduzida por “inferno”.

(2) A versão A Bíblia na Linguagem de Hoje traduz haí·des por “inferno”, “morte”, “lugar onde estão os mortos” e “mundo dos mortos”. Mas, além de traduzir haí·des por “inferno”, usa esta mesma tradução para gé·en·na. (3) A tradução do Centro Bíblico Católico traduz haí·des por “inferno”, “região dos mortos” e “morada subterrânea”. Traduz também gé·en·na por “inferno”, além de transliterar gé·en·na por geena. O significado exato das palavras na língua original fica assim obscurecido.

2. Se o versículo que se prova um argumento está dentro do Contexto do capítulo e do livro da bíblia que se menciona.

Resposta: Mateus 25:46:”E irão estes para o tormento eterno, mas os justos, para a vida eterna. ”
— Versão Almeida Revista e Corrigida

O contexto do versículo diz  que “o fogo eterno” mencionado por Jesus e registrado em Mateus 25:41 foi preparado “para o diabo e seus anjos”. Você acha que o fogo literal pode queimar criaturas espirituais? Ou Jesus estava usando a palavra “fogo” de forma simbólica? Com certeza, “as ovelhas” e “os cabritos” mencionados no mesmo discurso não são literais; são figuras de linguagem que representam dois tipos de pessoas. (Mateus 25:32, 33) O fogo eterno do qual Jesus falou queima completamente os ímpios em sentido figurado.
Em que sentido os ímpios “irão para o castigo eterno”? Embora a maioria das traduções use a palavra “castigo” em Mateus 25:46, o significado básico da palavra grega kó·la·sin é “restringir o crescimento das árvores”, ou podar, cortando os galhos desnecessários. Portanto, ao passo que as pessoas semelhantes a ovelhas recebem a vida eterna, as pessoas impenitentes, semelhantes a cabritos, sofrem o “castigo eterno”, sendo cortadas da vida para sempre.

3. Se TODA A BÍBLIA apoia o ensinamento, isto é, se está em Harmonia com o restante de bíblia, pois a mesma nunca se contradiz.

Ecl. 9:5, 10: “Os viventes estão cônscios de que morrerão; os mortos, porém, não estão cônscios de absolutamente nada . . . Tudo o que a tua mão achar para fazer, faze-o com o próprio poder que tens, pois não há trabalho, nem planejamento, nem conhecimento, nem sabedoria no Seol, o lugar para onde vais.” (Se não estão cônscios de nada, é óbvio que não sentem dor.)

Sal. 146:4: “Sai-lhe o espírito (folego de vida), ele volta ao seu solo; neste dia perecem deveras os seus pensamentos.”

Eze. 18:4: “A alma que pecar — ela é que morrerá.”
“O conceito de ‘alma’, significando uma realidade puramente espiritual, imaterial, distinta do ‘corpo’, . . . não existe na Bíblia.” — La Parole de Dieu (Paris, 1960) de Georges Auzou, professor de Escrituras Sagradas, Seminário de Rouen, França, p. 128.

Segundo Exemplo

Todos vão para o céu

  1. O ensinamento se baseia na bíblia?

Sim. João 14:2,3:”Na casa de meu Pai há muitas moradas. Se não, eu vos teria dito, porque vou embora para vos preparar um lugar.  Também, se eu for embora e vos preparar um lugar, virei novamente e vos acolherei a mim, para que, onde eu estiver, vós também estejais”

2. Se o versículo que se prova um argumento está dentro do Contexto do capítulo e do livro da bíblia que se menciona.

NÃO. Um pouco mais a frente João fala:“Nenhum homem ascendeu ao céu, senão aquele que desceu do céu, o Filho do homem.” (João 3:13)

3. Se TODA A BÍBLIA apoia o ensinamento, isto é, se está em Harmonia com o restante de bíblia, pois a mesma nunca se contradiz.

Não. Atos 2:34 diz:”Realmente, Davi não ascendeu aos céus…”

Atos 24:15 diz:”e eu tenho esperança para com Deus, esperança que estes mesmos [homens] também alimentam, de que há de haver uma ressurreição tanto de justos como de injustos. ”

Eclesiastes 9:5,6:” Pois os viventes estão cônscios de que morrerão; os mortos, porém, não estão cônscios de absolutamente nada, nem têm mais salário, porque a recordação deles foi esquecida.  Também seu amor, e seu ódio, e seu ciúme já pereceram, e por tempo indefinido eles não têm mais parte em nada do que se tem de fazer debaixo do sol.”

Terceiro Exemplo

Esperança celestial

  1. O ensinamento se baseia na bíblia?

Sim. Apocalipse 14:1:”E eu vi, e eis o Cordeiro em pé no monte Sião, e com ele cento e quarenta e quatro mil, que têm o nome dele e o nome de seu Pai escrito nas suas testas.”

2. Se o versículo que se prova um argumento está dentro do Contexto do capítulo e do livro da bíblia que se menciona.

sim. Os vers. 4 e 5 diz:”Estes são os que não se poluíram com mulheres; de fato, são virgens. Estes são os que estão seguindo o Cordeiro para onde quer que ele vá. Estes foram comprados dentre a humanidade como primícias para Deus e para o Cordeiro,  e não se achou falsidade na sua boca; não têm mácula.

E o capítulo 5:10:” e fizeste deles um reino e sacerdotes para o nosso Deus, e hão de reinar sobre a terra.”

3. Se TODA A BÍBLIA apoia o ensinamento, isto é, se está em Harmonia com o restante de bíblia, pois a mesma nunca se contradiz.

Sim. A bíblia chama essa classe de pequeno rebanho em João 12:32:“Não temas, pequeno rebanho, porque vosso Pai aprovou dar-vos o reino”

Quarto Exemplo

Paraíso Terrestre

  1. O ensinamento se baseia na bíblia?

Sim. (Salmo 37:29) “Os próprios justos possuirão a terra E residirão sobre ela para todo o sempre.”

2. Se o versículo que se prova um argumento está dentro do Contexto do capítulo e do livro da bíblia que se menciona.

sim. (Salmo 37:11) “Mas os próprios mansos possuirão a terra E deveras se deleitarão na abundância de paz.”

3. Se TODA A BÍBLIA apoia o ensinamento, isto é, se está em Harmonia com o restante de bíblia, pois a mesma nunca se contradiz.

sim. “A terra permanece por tempo indefinido.”
Eclesiastes 1:4

“Ele realmente tragará a morte para sempre, e o Soberano Senhor Jeová certamente enxugará as lágrimas de todas as faces.”
Isaías 25:8

“Hão de construir casas e as ocuparão; e hão de plantar vinhedos e comer os seus frutos. Não construirão e outro terá morada; não plantarão e outro comerá. Porque os dias do meu povo serão como os dias da árvore; e meus escolhidos usufruirão plenamente o trabalho das suas próprias mãos.”
Isaías 65:21, 22

” Pois, não é a anjos que ele sujeitou a vindoura terra habitada, da qual estamos falando.” (Hebreus 2:5)

“Enxugará dos seus olhos toda lágrima, e não haverá mais morte, nem haverá mais pranto, nem clamor, nem dor. As coisas anteriores já passaram.”
Apocalipse  21:4

Tente por em prática esses três argumentos para saber se o que sua religião ensina é verdade ou não. Pesquise  a fundo as escrituras. Eu usei poucos textos para não ficar muito extensa a leitura, mas você pode explorar a bíblia toda com calma e usar essa técnica para desmascarar os ensinamentos falsos.

Caso tenha Dúvidas e queira ajuda, envie o Tema no seguinte E-MAIL:

abibliarespondeeajuda@gmail.com

Eu pesquisarei o tema e colocarei na ordem 1,2 e 3 para você saber se é verdade ou não.

Anúncios

Como posso encontrar a religião verdadeira?

 

Cada um de nós acha que está na religião verdadeira. Mas já parou para fazer um teste?

Sim. Colocar em cheque sua religião. Pegar a bíblia e os ensinamentos de sua religião e verificar se o que ela realmente ensina é a verdade que está na bíblia.

A Bíblia ilustra como podemos diferenciar os que praticam a religião verdadeira dos que não praticam. Ela diz: “Pelos seus frutos vocês os reconhecerão. Será que se colhem uvas dos espinheiros ou figos dos abrolhos?” (Mateus 7:16) Assim como podemos diferenciar uma videira de um espinheiro pelo que ela produz, podemos diferenciar a religião verdadeira da falsa pelos seus frutos, ou seja, características.

Não se esqueça, A RELIGIÃO VERDADEIRA PREENCHE TODOS OS REQUISITOS A SEGUIR, ENTÃO PEGUE SUA BÍBLIA E VAMOS LÁ:

 

  • A religião verdadeira inclui verdades bíblicas sobre a alma e a esperança da vida eterna num paraíso na Terra. (Leia os textos de Salmo 37:29; Isaías 35:5, 6; Ezequiel 18:4, Hebreus 2:5)
  • Ela também expõe a falsidade religiosa. leia Mateus 15:9; 23:27, 28.
  • A religião verdadeira ensina que Jesus Cristo é o meio pelo qual Deus dá a salvação. (Atos 4:10, 12) Seus membros obedecem aos mandamentos de Jesus e se esforçam em seguir seu exemplo. — João 13:15; 15:14.
  • A religião verdadeira acredita que o Reino de Deus é a única esperança para a humanidade. Seus membros pregam ativamente sobre esse Reino. — Mateus 10:7; 24:14.
  • A religião verdadeira incentiva o amor sem egoísmo. (João 13:35) Ela ensina o respeito por todos os grupos étnicos e aceita pessoas de todas as raças, culturas, idiomas e níveis sociais. (Atos 10:34, 35) Motivados pelo amor, seus membros não participam em guerras. — Miqueias 4:3; 1 João 3:11, 12.
  • A religião verdadeira não tem um clero assalariado, e não dá títulos religiosos ostentosos aos seus membros. — Mateus 23:8-12; 1 Pedro 5:2, 3.
  • A religião verdadeira é totalmente neutra em assuntos políticos. (João 17:16; 18:36) Mas seus membros respeitam e obedecem ao governo do país onde vivem. Eles seguem o mandamento da Bíblia: “Paguem a César o que é de César [representando as autoridades civis], mas a Deus o que é de Deus.” — Marcos 12:17; Romanos 13:1, 2.
  • A religião verdadeira é um modo de vida, não apenas um ritual ou uma formalidade. Seus membros seguem os altos padrões de moral da Bíblia em todos os aspectos de sua vida. (Efésios 5:3-5; 1 João 3:18) Mas, em vez de serem sérios demais, eles têm alegria ao adorar o “Deus feliz”. — 1 Timóteo 1:11.
  • Os que praticam a religião verdadeira seriam a minoria. (Mateus 7:13, 14) Membros da religião verdadeira muitas vezes seriam desprezados e sofreriam perseguição e zombaria por fazerem a vontade de Deus. — Mateus 5:10-12.
  • A religião verdadeira ajuda as pessoas a conhecer a Deus e também lhes ensina o nome dele, Jeová. (Salmo 83:18; Isaías 42:8; João 17:3, 6) Ela não ensina que ele é um mistério ou uma pessoa indiferente. Em vez disso, ela ensina que Deus quer que tenhamos um relacionamento com ele. — Tiago 4:8.
  • A religião verdadeira ensina a verdade com base na Bíblia, não em filosofias e teologias humanas que inclui a trindade, a imortalidade da alma ou que todos vão para o céu.(João17:17, 1 corintios 15:28,29, Eclesiastes 9:5, Hebreus 2:5)
  • A religião verdadeira não é apenas ‘a religião que eu gosto’. Pode ser perigoso escolher uma religião apenas porque ela nos faz sentir bem. A Bíblia predisse que haveria um tempo em que as pessoas ‘se cercariam de instrutores [religiosos] que lhes fizessem cócegas nos ouvidos’. (2 Timóteo 4:3) Por outro lado, a Bíblia nos incentiva a seguir “a religião que é pura e imaculada do ponto de vista de nosso Deus e Pai”, mesmo que alguns não a aceitem. — Tiago 1:27, nota; João 15:18, 19.

 

E ai como foi avaliar sua religião? Ela preencheu todos os requisitos? Não?

Então você deve fazer uma oração a Deus e pensar seriamente em sair. Sabe por quê?

A bíblia diz que fora a religião que Cristo ensinou, todas as outras fazem parte de Babilônia, o império mundial da religião falsa. E sabe o que a bíblia diz sobre isso?

Apocalipse 18:4 diz: “Saí dela, povo meu, se não quiserdes compartilhar com ela nos seus pecados e se não quiserdes receber parte das suas pragas.”

Quer saber uma Religião que preenche todos os requisitos acima citados?

Se tiver real e sincero interesse clique aqui.

É Realmente Lúcifer o Nome do Anjo que se tornou satanás?

Conceito da Igreja Católica

De acordo com São Jerônimo, Lúcifer era o nome do principal anjo caído, e seu nome em hebraico, helel, é derivado do verbo lamentar, pois ele lamenta a sua queda e a perda do seu brilho. Esta visão prevaleceu entre os Padres da Igreja, de forma que Lúcifer não fosse o nome próprio do diabo, mas apenas o seu estado anterior à queda.

A visão teosófica

Corroborando outras opiniões, o Glossário Teosófico de Helena Blavatsky diz que Lúcifer é a Estrela da Manhã, o planeta Vênus, e literalmente a palavra significa O Portador da Luz. Rejeita a atribuição a Lúcifer dos defeitos do orgulho e da arrogância que o cristianismo lhe imputou, nem diz que ele é a origem do mal e tampouco o identifica com o diabo e similares, que considera produtos apenas da imaginação humana sem existência autônoma real.

Outras opiniões

São Jerônimo, ao traduzir a Vulgata no século 4 DC, atribuiu Lúcifer ao anjo caído, a serpente tentadora das religiões antigas, embora antes dele esta interpretação não existisse. Oficialmente a Igreja não atribui a Lúcifer o papel de Diabo, mas apenas o estado de “caído” (Petavius, De Angelis, III, iii, 4)

Mas o que Realmente Representa Esse Título?

Vamos deixar que a bíblia, que deve ser a nossa única fonte responda essa pergunta.

É Lúcifer um nome que a Bíblia usa para Satanás?
O nome Lúcifer ocorre uma vez nas Escrituras e apenas em algumas versões da Bíblia. Por exemplo, a tradução de Antônio Pereira de Figueiredo verte Isaías 14:12: “Como caíste do céu, ó Lúcifer, tu que ao ponto do dia parecias tão brilhante?”
A palavra hebraica traduzida “Lúcifer” significa “brilhante”. A Septuaginta usa a palavra grega que significa “aquele que traz a alva”. Por isso, algumas traduções vertem o hebraico original por “estrela da manhã” ou “estrela d’alva”. Mas a Vulgata latina de Jerônimo usa “Lúcifer” (portador de luz), e isso explica a ocorrência desse termo em diversas versões da Bíblia.
Quem é esse Lúcifer?

O termo “brilhante”, ou “Lúcifer”, é encontrado na “expressão proverbial contra o rei de Babilônia” que Isaías mandou profeticamente que os israelitas proferissem. De modo que faz parte duma expressão dirigida à dinastia babilônica. Que o termo “brilhante” é usado para descrever um homem e não uma criatura espiritual é notado adicionalmente na declaração: “No Seol serás precipitado.” Seol é a sepultura comum da humanidade — não um lugar ocupado por Satanás, o Diabo. Além disso, os que vêem Lúcifer levado a essa condição perguntam: “É este o homem que agitava a terra?” É evidente que “Lúcifer” se refere a um humano, não a uma criatura espiritual. — Isaías 14:4, 15, 16.
Por que se dá tal ilustre descrição à dinastia babilônica? Temos de dar-nos conta de que o rei de Babilônia seria chamado de brilhante apenas depois da sua queda e de forma escarnecedora. (Isaías 14:3) O orgulho egoísta induziu os reis de Babilônia a se elevarem acima dos em sua volta. A arrogância da dinastia era tão grande, que ela é retratada fazendo a seguinte declaração jactanciosa: “Subirei aos céus. Enaltecerei o meu trono acima das estrelas de Deus e assentar-me-ei no monte de reunião, nas partes mais remotas do norte. . . . Assemelhar-me-ei ao Altíssimo.” — Isaías 14:13, 14.

As “estrelas de Deus” são os reis da linhagem real de Davi. (Números 24:17) A partir de Davi, essas “estrelas” governavam desde o monte Sião. Depois de Salomão construir o templo em Jerusalém, o nome Sião passou a ser aplicado a toda a cidade. Sob o pacto da Lei, todos os varões israelitas tinham a obrigação de viajar três vezes por ano a Sião. De modo que se tornou o “monte de reunião”. Por decidir subjugar os reis judeus e depois removê-los daquele monte, Nabucodonosor declara sua intenção de se colocar acima dessas “estrelas”. Em vez de atribuir a Deus o mérito dessa vitória sobre eles, coloca-se arrogantemente no lugar de Deus. Portanto, é depois da sua queda que a dinastia babilônica é chamada zombeteiramente de “brilhante”.
A arrogância dos governantes babilônicos realmente refletia a atitude do “deus deste sistema de coisas” — Satanás, o Diabo. (2 Coríntios 4:4) Ele também anseia ter poder e deseja colocar-se acima de Deus.

Mas a Bíblia não atribui o nome Lúcifer a Satanás.

Quem é o anticristo?

“OUVISTES QUE VEM O ANTICRISTO.” — 1 JOÃO 2:18.

SE LHE avisassem que viram um criminoso perigoso dirigindo-se para a sua vizinhança, o que faria? Sem dúvida você procuraria saber exatamente como ele é e como age. Ficaria alerta.

Vivemos hoje numa situação similar. O apóstolo João avisou: “Toda expressão inspirada que não confessa a Jesus não se origina de Deus. Além disso, esta é a expressão inspirada do anticristo, de que ouvistes que viria, e agora já está no mundo.” (1 João 4:3) Existe mesmo esse anticristo, inimigo de Deus e enganador de homens, ameaçando o bem-estar de toda a humanidade?

João usou o termo “anticristo” cinco vezes em duas de suas cartas. Esse termo se refere a uma entidade que se opõe ao que a Bíblia ensina sobre Jesus Cristo e inclui impostores que se apresentam como Cristo ou como enviados por ele. A Bíblia fornece informações confiáveis sobre o anticristo. Mas assim como acontece às vezes com criminosos, relatos infundados sobre essa entidade enigmática receberam mais atenção do que a própria verdade.

Identificação errada

Desde os dias do apóstolo João, tem-se alegado que o anticristo por ele mencionado refere-se a um indivíduo específico. Foram aventadas várias possibilidades. Séculos atrás muitos pensavam que o imperador romano Nero era o anticristo. Em tempos mais recentes, a onda de ódio e de terror desencadeada por Adolf Hitler convenceu muitos de que ele era o anticristo. O termo foi aplicado até mesmo ao filósofo alemão Frieddrich Nietzsche. Mas outros acreditam que essa entidade ainda não veio e que virá na forma de um político astuto e cruel, decidido a dominar o mundo. Eles acreditam que a fera de Apocalipse, capítulo 13, seja uma referência específica ao anticristo mencionado por João. Dizem que a marca 666 de alguma forma identificará esse futuro expoente do mal.

Os que promovem esses conceitos pressupõem que João falou de apenas um anticristo. Mas o que revelam as palavras do apóstolo? Veja o que diz 1 João 2:18: “Assim como ouvistes que vem o anticristo, já está havendo agora muitos anticristos.” Como diz o texto, “muitos anticristos”, não apenas um, eram responsáveis pela conturbação espiritual no primeiro século. E hoje há não apenas um, mas muitos anticristos que formam a classe do anticristo. Coletivamente, eles têm causado dano espiritual à humanidade. (2 Timóteo 3:1-5, 13)

Quem são os que constituem o anticristo?

Vejamos se a fera de Apocalipse, capítulo 13, faz parte dessa classe. O apóstolo João escreveu: “A fera que vi era semelhante a um leopardo, mas os seus pés eram como os dum urso, e a sua boca era como a boca dum leão.” (Apocalipse 13:2) O que significam esses elementos?

Os eruditos bíblicos observaram que há uma relação entre o capítulo 13 de Apocalipse e o capítulo 7 de Daniel. Daniel recebeu de Deus uma visão de feras figurativas, incluindo um leopardo, um urso e um leão. (Daniel 7:2-6) O que significavam estes, segundo o profeta? Ele escreveu que os animais selvagens simbolizavam reis, ou governos, humanos. (Daniel 7:17) Podemos assim concluir logicamente que a fera de Apocalipse representa governos humanos. Uma vez que esses governos se opõem ao Reino de Deus, eles fazem parte do anticristo.

Quem mais faz parte do anticristo?

Quando Cristo, o Filho de Deus, esteve na Terra, ele tinha muitos inimigos. E hoje, embora esteja fisicamente fora do alcance deles, ainda tem inimigos. Veja quem está incluído entre esses opositores.

O apóstolo João declarou: “Quem é o mentiroso, senão aquele que nega que Jesus é o Cristo? Este é o anticristo, aquele que nega o Pai e o Filho.” (1 João 2:22) Os que se opõem e os líderes de muitas religiões torcem os ensinos claros de Jesus formando um emaranhado de fraude religiosa. Eles rejeitam a verdade da Bíblia e espalham mentiras em nome de Deus e de Cristo. Por meio da doutrina da Trindade, negam a verdadeira relação entre o Pai e o Filho. Assim sendo, eles também fazem parte do anticristo.

Jesus alertou seus discípulos em Lucas 21:12: “As pessoas deitarão mãos em vós e vos perseguirão, entregando-vos às sinagogas e às prisões . . . por causa do meu nome.” Desde o primeiro século, os verdadeiros cristãos têm suportado cruel perseguição. (2 Timóteo 3:12) Os que promovem tal tratamento lutam contra Cristo. Eles também são parte do anticristo.

“Quem não está do meu lado é contra mim, e quem comigo não ajunta, espalha.” (Lucas 11:23) Aqui Jesus proclama que todos os que se opõem a ele e aos propósitos divinos que ele apóia caem na categoria do anticristo.

Que fim está reservado para eles?

‘Deus destruirá os que falam mentira. Jeová detesta o homem que derrama sangue e que engana’, diz o Salmo 5:6(Tradução Brasileira). Será que isso se aplica aos anticristos? Sim. O apóstolo João escreveu: “Muitos enganadores saíram pelo mundo afora, pessoas que não confessam Jesus Cristo vindo na carne. Este é o enganador e o anticristo.” (2 João 7) Por terem mentido e enganado as pessoas, o Deus Todo-Poderoso destruirá os anticristos.

Ao se aproximar o tempo para a execução dessa sentença, os verdadeiros cristãos jamais devem permitir que enganos e pressões contra os ensinos de Cristo. O aviso de João é urgente: “Acautelai-vos para que não percais as coisas que produzimos por trabalho, mas para que obtenhais uma plena recompensa.” — 2 João 8.

Como este mundo chegará ao fim?

“Não estais em escuridão, de modo que aquele dia vos sobrevenha assim como a ladrões.” — 1 TES. 5:4.

HAVERÁ em breve acontecimentos extraordinários. O cumprimento de profecias bíblicas confirma esse fato, de modo que devemos ficar vigilantes. O que nos ajudará nesse sentido? O apóstolo Paulo nos exorta a ‘fixar os olhos nas coisas não vistas’. Sim, temos de ter em mente a recompensa de vida eterna, seja no céu, seja na Terra. Segundo o contexto, Paulo escreveu isso para incentivar os irmãos a se concentrarem no feliz resultado da fidelidade deles. Fazerem isso também os ajudaria a enfrentar as provações e a perseguição. — 2 Cor. 4:8, 9, 16-18; 5:7.

 A exortação de Paulo contém um importante princípio: para manter firme a nossa esperança, temos de olhar além das coisas vistas. Temos de focalizar acontecimentos significativos ainda não vistos. (Heb. 11:1; 12:1, 2) Portanto, consideremos cinco acontecimentos futuros, diretamente relacionados com a nossa esperança de vida eterna.

O QUE ACONTECERÁ POUCO ANTES DO FIM?

 Paulo menciona um desses acontecimentos futuros na sua carta aos tessalonicenses.(Leia 1 Tessalonicenses 5:2, 3.) Ele chama atenção ao “dia de Deus”, que aqui se refere ao período que começará com a destruição das religiões falsas e culminará na guerra do Armagedom. No entanto, pouco antes de começar esse dia, líderes mundiais estarão dizendo: “Paz e segurança!” Isso pode se referir a apenas um ou a uma série de acontecimentos. As nações possivelmente vão pensar que estão perto de resolver alguns de seus grandes problemas. E os líderes religiosos? Eles fazem parte do mundo, de modo que talvez se juntem aos líderes políticos. (Apoc. 17:1, 2) O clero estaria assim imitando os falsos profetas do antigo Judá, sobre os quais Jeová disse: “[Estão] dizendo: ‘Há paz! Há paz!’ quando não há paz.” — Jer. 6:14; 23:16, 17.

Seja quem for que participe em dizer “Paz e segurança!”, esse acontecimento indicará que o dia de julgamento está para começar. Portanto, Paulo podia dizer: “Irmãos, não estais em escuridão, de modo que aquele dia vos sobrevenha assim como a ladrões, porque todos vós sois filhos da luz.” (1 Tes. 5:4, 5) Diferentemente da humanidade em geral, nós que estudamos a bíblia discernimos o significado bíblico dos acontecimentos atuais. Como essa profecia sobre dizer “Paz e segurança!” se cumprirá? Temos de esperar para ver. Estejamos, pois, decididos a ‘ficar despertos e manter os nossos sentidos’. — 1 Tes. 5:6; Sof. 3:8.

“RAINHA” QUE CALCULA MAL AS SUAS CHANCES

 Que acontecimento ainda não visto ocorrerá a seguir? Paulo declarou: “Quando estiverem dizendo: ‘Paz e segurança!’ então lhes há de sobrevir instantaneamente a repentina destruição.” A primeira fase dessa “repentina destruição” será o ataque à “Babilônia, a Grande”, o império mundial da religião falsa, também chamada de “meretriz”. (Apoc. 17:5, 6, 15) Esse ataque contra todos os tipos de religião falsa, incluindo a cristandade, será o início da “grande tribulação”. (Mat. 24:21; 2 Tes. 2:8) Para muitos, esse acontecimento será espantoso. Por quê? Porque até então a meretriz confiantemente se considerará uma “rainha” que ‘nunca verá pranto’. Mas ela de súbito descobrirá que calculou mal as suas chances de sobrevivência. Ela será exterminada rapidamente, como que “num só dia”. — Apoc. 18:7, 8.

O agressor da meretriz é identificado na Palavra de Deus como “fera” de “dez chifres”. Um estudo mostra que a fera se refere às Nações Unidas (ONU). “Os dez chifres” simbolizam todos os atuais poderes políticos que apoiam essa “fera cor de escarlate”. (Apoc. 17:3, 5, 11, 12) Quão devastador será o ataque? As nações da ONU vão saquear as riquezas da meretriz, expor seu real caráter, devorá-la e ‘queimá-la completamente’. A sua destruição será definitiva. — Leia Apoc 17:16.

 As profecias bíblicas indicam também o que desencadeará esse ataque. Deus de algum modo porá no coração de governantes políticos a intenção de ‘executar o pensamento dele’, a saber, devastar a meretriz. (Apoc. 17:17) Religiões que fomentam a guerra continuam a ser uma força divisória no mundo; assim, as nações talvez venham a achar que destruir a meretriz servirá aos seus próprios interesses nacionais. De fato, quando os governantes atacarem, eles acharão que estão executando seu próprio “um só pensamento”. Na realidade, porém, eles agirão como instrumento de Deus para exterminar toda a religião falsa. Assim, numa espantosa reviravolta, uma parte do sistema de Satanás atacará outra parte, e Satanás não conseguirá evitar isso. — Mat. 12:25, 26.

ATAQUE CONTRA O POVO DE DEUS

Depois da destruição das religiões falsas, os servos de Deus ainda estarão “morando em segurança” e “sem muralha”. (Eze. 38:11, 14) O que acontecerá com esse aparentemente indefeso grupo de pessoas que continuarão a adorar a Deus? Pelo visto, se tornarão alvo de um ataque total por parte de “muitos povos”. A Palavra de Deus descreve essa ocorrência como ataque de “Gogue da terra de Magogue”. (Leia Ezequiel 32:2,15,16.) Como devemos encarar esse ataque?

Saber com antecedência desse ataque contra o povo de Deus não nos preocupa demais. Em vez disso, nosso interesse principal não é a nossa salvação, mas sim a santificação do nome de Jeová e a vindicação de sua soberania. De fato, Jeová declarou mais de 60 vezes: “Tereis de saber que eu sou Jeová.” (Eze. 6:7; Tradução Brasileira) Assim, aguardamos com grande interesse o cumprimento desse notável aspecto da profecia de Ezequiel, confiando que “Deus sabe livrar da provação os de devoção piedosa”. (2 Ped. 2:9) Enquanto isso, queremos usar toda oportunidade para fortalecer nossa fé a fim de sermos íntegros a Deus não importa que provas nos sobrevenham. O que devemos fazer? Devemos orar, estudar a Palavra de Deus, meditar nela e divulgar a mensagem do Reino. Se fizermos isso, manteremos firme como uma “âncora” a nossa esperança de vida eterna. — Heb. 6:19; Sal. 25:21.

AS NAÇÕES TERÃO DE RECONHECER A JEOVÁ

Que acontecimento extraordinário será desencadeado pelo ataque aos servos de Deus? Por meio de Jesus e dos exércitos celestiais, Deus intervirá em favor de Seu povo. (Apoc. 19:11-16) Essa intervenção será “a guerra do grande dia de Deus, o Todo-poderoso” — Armagedom. — Apoc. 16:14, 16.

 Por meio de Ezequiel, Jeová diz a respeito dessa guerra: “‘Vou chamar contra [Gogue] uma espada em toda a minha região montanhosa’, é a pronunciação do Soberano Senhor Jeová. ‘A espada de cada um virá a ser contra o seu próprio irmão.’” Em pânico, os do lado de Satanás serão lançados em confusão e voltarão as armas contra suas próprias fileiras — guerreiro contra guerreiro. Mas Satanás também sofrerá dano. Jeová declara: ‘Farei cair fogo e enxofre sobre Gogue, sobre suas tropas e sobre os muitos povos com ele.’ (Eze. 38:21, 22 Tradução Brasileira) O que resultará dessa ação divina?

As nações terão de reconhecer que sua derrota esmagadora é causada por ordem do próprio Jeová. Daí, como fizeram no passado os egípcios que perseguiram os israelitas no mar Vermelho, as forças de Satanás talvez bradem em desespero: “Jeová certamente está lutando por eles”! (Êxo. 14:25 Tradução King James Nome Divino 2012) As nações serão obrigadas a reconhecer a Jeová.(Leia Ezequiel 38:23.) Quão perto estamos do início dessa cadeia de acontecimentos?

NÃO SURGIRÁ MAIS NENHUMA POTÊNCIA MUNDIAL

Uma profecia no livro de Daniel nos permite saber onde estamos na corrente do tempo. Daniel descreve uma estátua em forma humana feita de diferentes metais. (Dan. 2:28, 31-33) Ela simboliza sucessivas potências mundiais que têm exercido forte influência sobre o povo de Deus, no passado e no presente. São elas: Babilônia, Medo-Pérsia, Grécia, Roma — e a última, nos nossos tempos, ainda outra potência mundial. Um estudo da profecia de Daniel mostra que essa última potência mundial é retratada na estátua pelos pés e seus dedos. Na Primeira Guerra Mundial, a Grã-Bretanha e os Estados Unidos formaram uma parceria especial. Realmente, a quinta parte da estátua de Daniel é a Potência Mundial Anglo-Americana. Os pés formam a última parte da estátua, indicando que nenhuma outra potência mundial humana entrará em cena. Serem os pés e seus dedos compostos de ferro e argila retrata o estado enfraquecido da Potência Mundial Anglo-Americana.

A mesma profecia indica que, em 1914, o Reino de Deus, retratado por uma grande pedra, foi “cortado” do monte que simboliza a soberania de Deus. Essa pedra se desloca velozmente rumo ao seu alvo: os pés da estátua. No Armagedom, os pés e o resto da estátua serão esmagados. (Leia Daniel 2:44, 45.) Portanto, a Potência Mundial Anglo-Americana ainda será a potência mundial dominante quando irromper o Armagedom. Que emoção será testemunhar o cumprimento pleno dessa profecia!Mas o que Deus tem em reserva para o próprio Satanás?

O QUE ACONTECERÁ COM O PRINCIPAL ADVERSÁRIO DE DEUS

Primeiro, Satanás terá de testemunhar do começo ao fim a eliminação de sua inteira organização terrestre. Daí, o próprio Satanás se tornará o foco da atenção. O apóstolo João relata o que acontecerá a seguir. (Leia Apocalipse 20:1-3.) Jesus Cristo, o “anjo com a chave do abismo”, se apoderará de Satanás e seus demônios, os lançará no abismo e os manterá ali por mil anos. (Luc. 8:30, 31; 1 João 3:8) Essa ação será o estágio inicial do ‘machucar’ a cabeça da serpente. — Gên. 3:15.

O que é o “abismo” no qual Satanás e seus demônios serão lançados? A palavra grega á·bys·sos usada por João significa “muito ou extremamente profundo”. É também traduzida “insondável, ilimitado” e “o vazio infinito”. Portanto, é um lugar totalmente fora do alcance de qualquer um, exceto de Deus e de seu anjo designado que tem “a chave do abismo”. Ali, Satanás estará inativo, como que morto, para ‘não mais desencaminhar as nações’. Realmente, esse “leão que ruge” será silenciado! — 1 Ped. 5:8.

ACONTECIMENTOS QUE LEVARÃO A UM PERÍODO DE PAZ

Acontecimentos significativos e eventos extraordinários estão à nossa frente. Aguardamos ver como será feita a declaração “Paz e segurança!”. Daí seremos testemunhas da destruição de Babilônia, a Grande, do ataque de Gogue de Magogue, da batalha do Armagedom e do lançamento de Satanás e seus demônios no abismo. Depois desses acontecimentos, com o fim de toda a perversidade, entraremos num novo capítulo na vida — o Reinado Milenar de Cristo, com “abundância de paz”. — Sal. 37:10, 11.