O que a Bíblia diz sobre o Natal

A New Catholic Encyclopedia (Nova Enciclopédia Católica) reconhece: “A data do nascimento do Cristo não é conhecida. Os Evangelhos não indicam nem o dia nem o mês . . . Segundo a hipótese sugerida por H. Usener . . . e aceita pela maioria dos peritos hoje em dia, designou-se ao nascimento de Cristo a data do solstício do inverno (25 de dezembro no calendário juliano, 6 de janeiro no egípcio) porque, nesse dia, à medida que o sol começava seu retorno aos céus setentrionais, os devotos pagãos de Mitra celebravam o dies natalis Solis Invicti (aniversário natalício do sol invencível). Em 25 de dez. de 274, Aureliano havia proclamado o deus-sol como o principal padroeiro do império e dedicou um templo a ele no Campo de Marte. O Natal surgiu numa época em que o culto ao sol era particularmente forte em Roma.”

A história nos mostra que a origem do Natal católico, este que se comemora hoje, nasceu no ano 354 d.C., data em que se assinalou a primeira celebração do nascimento de Jesus.
Esta comemoração veio substituir a festa pagã do nascimento do Sol chamada Natalis Invicti Solis que, naquela época, era celebrada pelo povo persa.

Durante muitos séculos, as igrejas cristãs não costumavam comemorar o nascimento de Cristo devido às distorções históricas com relação à data exata de sua aparição. Apesar de todas reconhecerem que a pequena cidade de Belém, em Jerusalém, foi o palco do aparecimento de Cristo na Terra, as informações sobre o dia e o ano em que isso ocorreu são desencontradas, mesmo porque os relatos descritos no Novo Testamento não especificam datas. Por causa disso, a maior festividade da época era a Páscoa, comemorada pelas instituições cristãs como referência à Ressurreição de Jesus.

Com o passar dos anos, estas mesmas igrejas começaram a se preocupar com a questão do nascimento de Cristo e algumas correntes religiosas, entre elas a Igreja Católica Romana, passaram a celebrar a data no dia 06 de janeiro. Esse dia era chamado de Epifania, palavra grega que quer dizer manifestação ou revelação da divindade a seus fiéis. Outras correntes, por sua vez, já haviam adotado o dia 25 de dezembro como a data da festividade com base em antigos relatos romanos.

Porém, depois de tantas divergências com relação ao assunto, a data que se comemora hoje foi fixada no ano de 440 d.C. e teve como objetivo estabelecer um ponto comum entre as diversas religiosidades da época, além de cristianizar as festas pagãs realizadas no período. Por esse acordo, ficou estabelecido que as comemorações natalinas teriam um período de 12 dias, tendo início em 25 de dezembro e terminando em 06 de janeiro.

 

 

História de alguns costumes natalinos

  1. Comemoração do aniversário de Jesus: Os primeiros cristãos não celebravam [o] nascimento [de Cristo] porque consideravam a comemoração do aniversário um costume pagão.” — Enciclopédia Delta Universal.

  2. Dia 25 de dezembro: Não existem provas de que Jesus tenha nascido nessa data. É provável que líderes da Igreja tenham escolhido essa data para coincidir com festas pagãs realizadas no solstício de inverno ou por volta dele.

  3. Troca de presentes, banquetes e festas: A obra The Encyclopedia Americana diz: “As saturnais, festa romana celebrada em meados de dezembro, forneceram o modelo para muitos costumes festivos do Natal. Dessa celebração, por exemplo, derivam-se os banquetes suntuosos, a troca de presentes e a queima de velas.” A Encyclopædia Britannicaobserva que “todo trabalho e negociações eram interrompidos” durante as saturnais.

  4. Luzes de Natal: De acordo com a The Encyclopedia of Religion(Enciclopédia da Religião), os europeus decoravam suas casas “com luzes e sempre-verdes de todos os tipos” para celebrar o solstício de inverno e combater espíritos maus.

  5. Visco e azevinho: Em muitos países, essas plantas geralmente são usadas em decorações de Natal. “Os druidas atribuíam propriedades mágicas ao visco. O azevinho sempre-verde era adorado como uma promessa de que o Sol retornaria.” — The Encyclopedia Americana.

  6. Árvore de natal: Cultuar árvores, ato comum entre os europeus pagãos, sobreviveu à conversão deles ao cristianismo.” Um exemplo atual disso é o costume de “colocar uma árvore de natal na entrada ou dentro da casa durante as festividades em meados do inverno”. — Encyclopædia Britannica.

Qual é a verdade sobre o Natal?

Milhões de pessoas no mundo todo comemoram o Natal por várias razões. Algumas gostam de passar momentos alegres com amigos e familiares. Outras procuram pensar em Deus ou ajudar os necessitados. Sem dúvida, essas são boas ações. No entanto, esse feriado esconde um passado obscuro. Veja alguns aspectos sobre o Natal.

Primeiro, para muitas pessoas o Natal é a comemoração do nascimento de Jesus. Mas historiadores dizem que a data do nascimento de Jesus é desconhecida.The Christian Book of Why (O Livro Cristão dos Porquês) diz que “os primeiros cristãos se recusaram a escolher uma data que indicasse o nascimento de Jesus”, pois queriam “se separar de todos os costumes pagãos”. Nada na Bíblia indica que Jesus tenha comemorado seu aniversário ou o de qualquer outra pessoa. Mas ele mandou que seus discípulos celebrassem sua morte. — Lucas 22:19.

Segundo, muitos eruditos concordam que a maioria das tradições do Natal está ligada a costumes pagãos ou não cristãos. Essas tradições incluem Papai Noel, ramos de visco, troca de presentes, árvores de natal, velas, toras, guirlandas e canções de Natal como foi sitado acima. Falando sobre esses costumes, o livro The Externals of the Catholic Church (Os Costumes da Igreja Católica) observou: “Ao dar ou receber presentes de Natal ou colocar guirlandas nas casas e igrejas, quem de nós poderia imaginar estar seguindo costumes pagãos?”

Mas você talvez se pergunte o que há de errado em seguir esses costumes aparentemente inocentes?

Um terceiro ponto responde. Deus não aceita que a adoração pura seja contaminada com costumes pagãos. Por meio do profeta Amós, Jeová Deus disse a seus adoradores infiéis no Israel antigo: “Odiei, rejeitei as vossas festividades . . . Afastai de mim o tumulto dos vossos cânticos.” — Amós 5:21, 23 Tradução Brasileira.

Por que palavras tão fortes? Veja o que o povo de Israel, ao norte, estava fazendo. O primeiro rei, Jeroboão, havia colocado bezerros de ouro nas cidades de Dã e Betel e influenciado o povo a adorar esses bezerros em vez de adorar a Jeová no templo em Jerusalém. O rei também havia criado festividades e designado sacerdotes para ajudar o povo a celebrá-las. — 1 Reis 12:26-33.

Aparentemente, os israelitas não tinham má intenção ao celebrar essas festividades.Eles alegavam fazer essas coisas com o objetivo de adorar a Deus e agradá-lo. Mas as fortes palavras de Deus por meio de Amós e outros profetas mostram claramente como ele se sentia com tudo isso. Ele disse através do profeta Malaquias: “Eu sou Jeová; não mudei.” (Malaquias 3:6 Tradução Brasileira)

Consegue entender o que Deus acha das celebrações do Natal hoje em dia?

Será que os verdadeiros cristãos Devem participar das tradições do Natal? Agrada a Deus misturar Sua adoração com crenças e práticas dos que não o adoram?

O apóstolo Paulo deu o seguinte aviso em Colossenses 2:8: “Acautelai-vos: talvez haja alguém que vos leve embora como presa sua, por intermédio de filosofia e de vão engano, segundo a tradição de homens, segundo as coisas elementares do mundo e não segundo Cristo.”

Ele também escreveu: “Não vos ponhais em jugo desigual com incrédulos. Pois, que associação tem a justiça com o que é contra a lei? Ou que parceria tem a luz com a escuridão? Além disso, que harmonia há entre Cristo e Belial [Satanás]? Ou que quinhão tem o fiel com o incrédulo?” — 2 Coríntios 6:14, 15

Em harmonia com as Escrituras, esforçam-se a praticar “a forma de adoração que é pura e imaculada do ponto de vista de . . . Deus”, por manter-se “sem mancha do mundo”. — Tiago 1:27.

Depois de considerar esses aspectos sobre o Natal, milhões de pessoas deixaram de comemorá-lo.

Elas encontram verdadeira alegria e satisfação por passar tempo com seus amigos e familiares e ajudar os necessitados em qualquer época do ano. 

 A Bíblia mostra que, se tentamos adorar a Deus de um modo que ele não aprova, nós o ofendemos. — Êxodo 32:5-7.

 O que você deve fazer?

Analise sua Religião. Verifique se ela pratica e incentiva a comemorar algo que desagrada a Deus. Lembre-se que Deus não Aprovou o que o Rei Jeroboão fez no passado, e muito menos apoia esse tipo de coisa Hoje. Sua organização é “limpa e imaculada”, “sem mancha no mundo”.

Se isso acontece em sua religião, você deve fazer uma oração a Deus e pensar seriamente em sair. Sabe por quê?

A bíblia diz que fora a religião que Cristo ensinou, todas as outras fazem parte de Babilônia, o império mundial da religião falsa. E sabe o que a bíblia diz sobre isso?

Apocalipse 18:4 diz: “Saí dela, povo meu, se não quiserdes compartilhar com ela nos seus pecados e se não quiserdes receber parte das suas pragas.”

Faça um raio x da sua Religião agora, e veja se ela preenche os requisitos do que Jesus ensinou para os cristãos do primeiro século AQUI.

Anúncios

2 comentários sobre “O que a Bíblia diz sobre o Natal

  1. Mas me diga o que isso tem a ver com o artigo??? Você vem falar de trindade em um tópico sobre o natal, deveria entrar no tópico “Deve-se crer na trindade?” e comentar lá…e podemos raciocinar a base das escrituras sagradas sobre o tema, afinal o próprio artigo já mostra que não é um ensino que Jesus pregou…

    Curtir

  2. Como é pena verificar a cegueira de quem “ensina ” o que não compreende e não aceita Jesus Cristo verdadeiro Deus e verdadeiro Homem! Ele disse: “Tenho outras ovelhas que não são deste redil. Também estas Eu preciso de as trazer e hão-de ouvir a minha Vós, e haverá um só rebanho e um só pastor” Jo 10,16 Quando acontecerá isso ? Tenhamos humildade e reconhecer que Deus Uno e Trino, tudo pode. Oremos irmãos para que isso aconteça! Somos todos Filhos de Deus!

    Curtir

Os comentários estão desativados.